Com o objetivo de apoiar os municípios na realização de vistorias em imóveis urbanos no estado, as Secretarias de Estado de Saúde e de Defesa Civil, a partir desta segunda-feira (22/2), articulam a atuação conjunta de uma força tarefa que será composta por cerca de 800 homens do Corpo de Bombeiros. 

Os militares foram capacitados por técnicos da Secretaria de Saúde e darão apoio às equipes de agentes municipais de controle de endemias em busca de focos do mosquito Aedes
aegypti. 

- O apoio do Corpo de Bombeiros será essencial. A população precisa abrir as portas das suas casas, colaborando com esse trabalho, que certamente fará toda a diferença – afirma Luiz Fernando Pezão, governador do estado do Rio de Janeiro.

O treinamento incluiu informações sobre o ciclo reprodutivo do mosquito, principais criadouros e formas de eliminação mecânica, além de esclarecimentos sobre as principais dúvidas relacionadas ao Zika vírus, Dengue e Chikungunya, uma vez que a atuação dos militares também será voltada para conscientização da população quanto à importância de prevenção.

- O governador Pezão determinou que o Estado dê apoio aos municípios e o reforço dos bombeiros vai aumentar capacidade das prefeituras para as vistorias em imóveis urbanos. É preciso lembrar sempre que este é um mosquito de hábitos domiciliares e a grande maioria dos focos está nas residências das pessoas. O comprometimento e a conscientização da população são fundamentais - afirma Luiz Antônio Teixeira Jr, secretário de Estado de Saúde.

A estratégia de atuação dos bombeiros foi traçada com base em critérios técnicos, como o índice de infestação pelo mosquito e a capacidade dos municípios para a cobertura dos imóveis urbanos, entre outros. 

- Os militares estão capacitados para abordar corretamente os moradores, identificar os focos do mosquito e alertar à população sobre os perigos da proliferação dos focos. A expectativa é que cada vez mais as pessoas se sensibilizem com a causa e colaborem com o poder público neste combate – afirma o secretário de Estado de Defesa Civil, coronel Ronaldo Alcântara.

Nas ações, que acontecerão de segunda-feira a sábado, os bombeiros estarão divididos em grupos e acompanhados por agentes de endemia. Caso sejam localizados focos que não possam ser eliminados de forma mecânicas, agentes municipais serão acionados para a eliminação com larvicidas.

- Contamos com o apoio da população para que o acesso das equipes seja autorizado quando solicitado. Buscar os focos e entender a importância de dedicar alguns minutos por semana para evitar a proliferação do mosquito é essencial. O combate é um dever de todos. Só com a redução da circulação do mosquito é que vamos conseguir reduzir os casos das doenças que ele transmite – destaca o subsecretário de Vigilância em Saúde, Alexandre Chieppe.

Tecnologia - A ação da força tarefa vai incluir o uso de tecnologia de ponta. Antes das visitas às áreas determinadas pelas prefeituras, um drone da Secretaria de Estado de Defesa Civil fará um sobrevôo da região, para identificar do alto possíveis criadouros dos mosquitos. Os dados colhidos pelo drone vão ajudar a orientar o trabalho dos agentes e bombeiros que estarão naquela região.

Campanha 10 Minutos Salvam Vidas - A forma mais eficaz de se prevenir contra dengue, zika e chikungunya é combatendo o Aedes aegypti, diminuindo ao máximo o número de focos. Medidas como armazenar lixo em sacos plásticos fechados; manter a caixa d’água completamente vedada; não deixar água acumulada em calhas e coletores de águas pluviais; recolher recipientes que possam ser reservatórios de água parada, como garrafas, galões, baldes e pneus, conservando-os guardados e ou tampados; encher com areia os pratinhos dos vasos de plantas e tratar água de piscinas e espelhos d’água com cloro são ações importantes que ajudam a evitar a disseminação do vírus transmissor da doença. 

Gestantes – Mulheres grávidas devem reforçar os cuidados de proteção individual, com o uso de repelentes e de roupas que protejam o corpo, principalmente, membros inferiores. Evitar a exposição durante a manhã e o final da tarde, horários de maior circulação do mosquito, também é importante.