A Secretaria de Estado de Defesa Civil (SEDEC) promoveu na sexta-feira (23/05), a 2ª Conferencia Estadual de Defesa Civil (2ª CEPDC). O evento aconteceu no Centro de Convenções da SulAmérica, na Cidade Nova, com o objetivo de fortalecer a participação, o controle social e a integração das políticas públicas ao tema, tendo novos paradigmas para proteção e a Defesa Civil.

O evento reuniu mais de 500 pessoas, incluindo 84 municípios do Estado que participaram das etapas municipais e intermunicipais. Como resultado da conferência, o Rio enviará para a 2ª Conferência Nacional de Proteção e Defesa Civil (2ª CNPDC) 100 delegados eleitos, representantes do Estado, 10 princípios e 30 diretrizes. A edição nacional acontece em Brasília de 4 a 7 de novembro.

Para o secretário de Estado de Defesa Civil, coronel Sérgio Simões, a 2ª CEPDC reforça e colabora para a mudança no Sistema Nacional de Defesa Civil. Simões destacou ainda a adesão dos municípios fluminenses no processo conferencial, que, segundo ele, demonstra a mudança na cultura.

- As pessoas têm o direito de saber o risco que estão correndo nas áreas onde vivem. Nós, gestores de Defesa Civil, temos uma grande responsabilidade, pois nosso compromisso é com a vida. Temos consciência do quanto avançamos e de como ainda precisamos avançar - disse.

Segundo o superintendente operacional da secretaria, coronel Luis Guilherme Ferreira dos Santos, as lições aprendidas no passado refletem-se nas boas práticas do Estado, como a recente iniciativa de envio de alertas por SMS implementada em parceria com operadoras de telefonia.

- Além disso, diversas ações de prevenção estão em andamento. Atualmente, 34 municípios do Estado, incluindo a capital, já possuem sistema de alerta e alarme, que avisam a população nas situações onde há riscos – complementou.

O secretário Nacional de Proteção e Defesa Civil, general Adriano Pereira Júnior, destacou a importância da realização da conferência para mobilizar e motivar a população para o tema.

- Este evento traz a sociedade para o debate. Isto é de extrema importância, pois colabora para a conscientização sobre os riscos. Desejo que o Rio de Janeiro leve o resultado das discussões para a etapa nacional e colabore da melhor maneira com o Sistema Nacional de Defesa Civil - acrescentou.

Após o almoço, os segmentos da 2ª CEPDC que foram os representantes da sociedade civil; agentes de defesa civil e do poder público; representantes de conselho profissional e de políticas públicas; e da comunidade científica de todo Estado analisaram as propostas eleitas nas conferências municipais e intermunicipais, apresentaram novas propostas e realizaram debate, discussão e eleição de propostas com base nos quatro eixos temáticos: Gestão Integrada de Riscos e Resposta aos Desastres; Integração de Políticas Públicas Relacionadas à Proteção e Defesa Civil; Gestão de Conhecimento em Proteção e Defesa Civil e Mobilização e Promoção de uma Resposta de Proteção e Defesa Civil na Busca de Cidades Resilientes.